Buscar Notícias 
21/07/2017 às 11:24 - Atualizada em 21/07/2017 às 11:24

Governo aumenta imposto sobre combustíveis e litro da gasolina deve ficar R$ 0,41 mais caro
Planejamento afirma que a medida vai render R$ 10,4 bilhões aos cofres públicos ainda em 2017.
Da redação,Canaã Notícias
Share Button

Com fontes do R7

Alíquota de PIS/Cofins cobrada sobre a gasolina subirá de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 por litro. Foto/Refueling Car

O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira (20) a decisão que aumenta as alíquotas dos impostos PIS/Cofins sobre os combustíveis. De acordo com o Ministério do Planejamento, a medida vai gerar, durante o restante deste ano de 2017, uma receita adicional de R$ 10,421 bilhões ao governo.

De acordo com a pasta, a alíquota de PIS/Cofins cobrada sobre a gasolina passará de R$ 0,3816 para R$ 0,7925 por litro. Significa dizer que se a alta for repassada integralmente aos consumidores, o litro do combustível saltará R$ 0,41.

Atualmente, o preço médio do litro da gasolina no Brasil é de R$ 3,485, segundo o último relatório divulgado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Com a alta confirmada, o valor deve passar para R$ 3,895 por litro.

Metade dos postos de combustíveis interditados no Brasil possui bandeira tradicional

No caso do diesel, o valor do imposto subirá de R$ 0,2480 para R$ 0,4615 por litro. A alíquota do etanol ao produtor subirá de R$ 0,1200 para R$ 0,1309 por litro. Já o etanol destinado ao distribuidor, atualmente sem cobrança de imposto, passará a ter uma alíquota de R$ 0,1964 por litro.

Nas estimativas do Planejamento, a alta dos tributos na gasolina corresponderá a 49,8% (R$ 5,191 milhões) de toda a receita aguardada pela medida aos cofres públicos em 2017. A nova alíquota também deve corresponder a uma arrecadação de R$ 3,622 milhões com o diesel e R$ 1,152 milhão com o etanol ao distribuidor.

Publicidade

Número de postos lacrados por adulteração nos combustíveis dobrou em 2016

Em nota, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirma que o aumento nas alíquotas é “absolutamente necessário” para a preservação do ajuste fiscal e manutenção da trajetória de recuperação da economia brasileira. Ele ainda destaca que serão cortados R$ 5,9 bilhões dos gastos previstos no Orçamento de 2017. A pasta diz que o valor deverá ser compensado por receitas extraordinárias.

Mais cedo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu o aumento dos impostos em função da queda da arrecadação de tributos influenciada pela recessão econômica e pelos prejuízos nos últimos anos de empresas e do setor financeiro.

— O mais importante é que sejam preservados a responsabilidade e o equilíbrio fiscal. O Brasil de fato vai recuperar o crescimento e os indicadores já começam a mostrar isso.

Share Button




Deixe seu comentário







LINK DA NOTÍCIA - ESPALHE POR AÍ









Agronegócio


Fortuna Nutrição Animal promove o 1º Grande Encontro da Fortuna em Nova Canaã do Norte

Economia


Horário de verão 2017 começa neste domingo; moradores de MT e mais 10 estados devem adiantar relógio em 1 hora

Mato Grosso


Mobilização contra a PEC é intensificada por ameaça de atraso salarial de servidores públicos de MT

Links Últeis

brasil_search policia-federal policia-militar policia-civil corpo-de-bombeiro portal-brasil google

Publicidade



Anuncie Conosco

Anuncie Aqui! anuncie-aqui-160x100